Como Fazer CPF Nos Correios ou Outros Locais

O CPF, ou Cadastro de Pessoa Física é um documento pessoal, que todo brasileiro precisa ter. Sua emissão é feita pela Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda. 

A função do CPF é identificar o cidadão perante a Receita Federal, inclusive para fins tributários. Além do mais, as organizações públicas e privadas, como órgãos do governo, agências bancárias e empresas privadas usam o CPF como uma espécie de chave que serve para identificar pessoas físicas. 

Onde Emitir o CPF? 

O CPF pode ser emitido na Caixa Econômica Federal, no Banco do Brasil e nas agências dos Correios. Para a emissão, é preciso pagar uma pequena taxa. Seguem abaixo os documentos solicitados para a emissão do CPF: 

  • Para menores de 16 anos, é necessário apresentar a carteira de identidade ou a certidão de nascimento.
  • Para maiores de 16 anos e menores de 18 anos, é preciso apresentar a carteira de identidade.
  • Para maiores de 18 anos e com menos de 69 anos, é solicitada a carteira de identidade e o Título de Eleitor.

O CPF poder ser emitido em qualquer idade. Até mesmo para recém-nascidos. E o número é único, pois o documento só é emitido uma única vez. 

Passo a Passo Para a Emissão do CPF 

Uma das formas mais comuns de emissão do CPF é pelos Correios. O cidadão deve se dirigir à uma agência dos correios de posse da documentação informada. O processo é bem rápido. A solicitação é feita em menos de 10 minutos. 

Quando o atendente finalizar a solicitação, ele entregará ao cidadão um comprovante, que precisa ser conferido antes que a emissão do CPF seja concluída. Caso haja alguma divergência, é preciso interromper a emissão e corrigir o erro. 

Se estiver tudo ok, o comprovante virá com um protocolo. E esse número servirá para o cidadão acompanhar o andamento da solicitação pelo site da Receita Federal. Para isso, basta informar o número do protocolo, a data de nascimento, o local e a data da solicitação. 

Após feito todo o processo de solicitação e ele constar como finalizado no site da Receita Federal, já é possível ir buscar o CPF no local na agência onde a solicitação foi feita. Para não perder tempo, o cidadão pode ligar na agência e se certificar se o documento já chegou. 

O valor da taxa cobrada pelos Correios para a emissão do CPF gira em torno de R$ 7,00. Esse valor deve ser pago no momento da solicitação. 

CPF Irregular – Como Resolver? 

É comum o cidadão ter algum tipo de pendência no CPF. Esse problema pode causar uma série de transtornos, como o cidadão pode ser impedido de abrir ou de movimentar uma conta bancária, adquirir financiamento, tirar passaporte, comprar ou vender imóveis, e muito mais. 

Para saber se o CPF está em situação irregular, o cidadão deve realizar uma consulta gratuita no site da Receita Federal. Caso o documento esteja suspenso, pelo site da Receita é possível realizar o pedido de regularização, desde que o contribuinte tenha mais de 16 anos. Mas é importante frisar que somente o cidadão cujo CPF estiver suspenso, e não houver a obrigação de entregar declaração do imposto de renda nos últimos 5 anos é que pode seguir com a solicitação pelo site. 

Se preferir, o cidadão também pode se dirigir a uma agência do Banco do Brasil, agência dos Correios ou da Caixa Econômica Federal e solicitar a regularização. 

Se a situação do CPF for pendente de regularização, o cidadão precisa apresentar a declaração do imposto de renda, mesmo que esteja atrasada. Esse tipo de problema costuma acontecer quando a DIRPF não foi entregue em algum dos últimos 5 anos. 

Como Limpar o Nome Sujo?

Depois de constatar que o seu nome está no SPC ou SERASA, você começa a perceber como isso pode ser ruim para sua vida. Em muitas situações, devido ao aumento do desemprego, o consumidor precisa se decidir sobre pagar uma conta ou outra, pois o dinheiro não é suficiente para pagar todas as contas. Com isso, a dívida vai aumentando e, quando menos se espera, o nome está inscrito nos órgãos de proteção ao crédito. 

Quando a situação melhora, é hora de começar a resolver a situação. E dar início ao pagamento das dívidas. 

Para quitar a dívida e retirar o nome do SPS e da SERASA, é preciso procurar o credor, ou a empresa para quem se está devendo, e propor uma renegociação. Em um prazo de até 5 dias úteis após o pagamento, o nome do consumidor será excluído dos órgãos de proteção ao crédito. 

Uma outra alternativa é tentar fazer um empréstimo. As melhores alternativas, por serem mais baratas, são: o empr´stimo pessoal ou o crédito consignado. 

É Possível Renegociar a Dívida? 

Caso o consumidor não tenha condições de pagar todo o valor devido de uma vez, ele pode procurar a empresa que ele deve e tentar uma renegociação. Se for possível realizar o parcelamento da dívida, tão logo a primeira parcela seja paga, o nome do consumidor já será excluído do cadastro de inadimplentes. 

Como as empresas estão muito interessadas no pagamento. Provavelmente elas farão uma boa proposta para o pagamento. Porém, o consumidor deve ficar atento e se certificar de que terá condições de pagar o novo valor. Ele precisa conhecer a sua real capacidade de pagar o valor proposto. 

Dicas de Planejamento Financeiro 

A grande maioria dos brasileiros não tem o costume de planejar as suas finanças. Á medida que eles vão recebendo, vão contraindo mais dívidas e pagando contas. Se um bom planejamento financeiro fosse feito, a maior parte dos problemas seria evitada. 

Para ajudar as pessoas que desejam, mas não sabem como se planejar financeiramente, separamos algumas dicas muito úteis, que irão ajudar muito nessa tarefa. Confira abaixo: 

1 – Anote todos os seus gastos: anote tudo o que gastar no mês. É bom criar o hábito de ter todas as despesas anotas, assim como as receitas também. Dessa forma, você saberá onde precisa reduzir. 

2 – Monte um orçamento familiar: em nossas casas, também precisamos estabelecer o que são gastos fixos (cujo valor não varia conforme a utilização) e o que são gastos variáveis (que variam conforme o consumo, como a água e a luz, por exemplo). Após ter feito essa divisão, é importante estabelecer um percentual máximo permitido que pode ser gasto em cada categoria. 

3 – Não comprometa mais que 1/3 do seu salário. Evite gastar tudo o que ganha. Estipule um valor para economizar todos os meses. Nunca se sabe quando teremos uma emergência. Não tente ter um padrão de vida maior do que o seu dinheiro te permite. 

4 – Evite contrair dívidas caras: não compre algo que terá dificuldades para pagar. Como dissemos antes, não comprometa toda a sua renda em dívidas. 

5 – Cuidado com o cartão de crédito: esse sim é uma das principais causas de endividamento do brasileiro. Use de forma moderada, evite cartões com anuidade, pague as faturas sempre em dia e no valor total. Não parcele e nem pague o valor mínimo. 

6 – Adote o consumo consciente: antes de comprar algo, verifique se realmente está precisando. Além de economizar, você ainda estará cuidando do meio ambiente. 

7 – Compare os preços: é muito importante fazer uma pesquisa antes de comprar qualquer coisa. E outra coisa boa também é esperar uma promoção se não precisar com muita urgência do produto. 

Esperamos que essas dicas sejam úteis. 

Como Consultar o Nome Sujo no SPC e SERASA

O aumento do desemprego no Brasil contribui muito para que a inadimplência também aumentasse. Muitas pessoas acabaram ficando com o nome sujo pela impossibilidade de poderem quitar as suas dívidas.  

Quando se está com o nome sujo, o consumidor tem três alternativas: quitar a dívida, renegociar a dívida, ou esperar a dívida caducar. Embora nem sempre seja possível, devido à falta de recursos financeiros, as duas primeiras alternativas são as melhores. Se o consumidor resolver esperar o prazo de 5 anos para a sua dívida caducar, ele terá que arcar com algumas consequências, como: 

  • Problemas para conseguir crediário: uma pessoa com o nome sujo terá muita dificuldade em conseguir um crediário aprovado. Dentre eles, estão o cartão de crédito, crediário em loja e a concessão de empréstimos e financiamentos.
  • Os bancos podem até mesmo cancelar o cheque especial e interromper a entrega de talões de cheque também.
  • Quem está com o nome sujo não conseguirá abrir uma conta corrente.
  • Redução do Serasa Score: essa pontuação é importante, pois ela indica como anda com relacionamento do consumidor com o mercado. Se ele paga suas dívidas em dia, por exemplo. Se estiver com o nome sujo, essa pontuação será bem baixa, indicando que o consumidor não tem muita credibilidade no mercado.

Com as portas se fechando, ficará ainda mais difícil para o consumidor conseguir quitar as suas dívidas e retomar um bom relacionamento com as empresas. 

Ainda que a sua dívida caduque, a empresa poderá continuar persistindo na cobrança. E esse é um bom momento para propor uma negociação. O que as empresas geralmente fazem é vender as suas dívidas para as empresas de cobrança. Aproveite para propor uma negociação que você tenha condições de pagar. 

A ideia de estar com o nome sujo não é legal. Antes de conceder empréstimos, financiamentos, cartões de crédito, as empresas analisam o histórico de pagamento do consumidor. Mesmo que a pessoa não esteja com o nome sujo, o seu histórico de pagamentos das dívidas será consultado. Caso o consumidor seja um mau pagador, as chances de ter as portas fechadas são muito grandes. 

Como Consultar o Nome Sujo? 

Para quem deseja consultar o seu nome nos órgãos de proteção ao crédito, saiba que é muito simples. O órgão acionado para negativar o nome do consumidor enviará uma carta informando que o seu nome será negativado caso ele não quite a dívida dentro de um prazo pré-estabelecido.  

Se o consumidor quiser se certificar de que seu nome foi mesmo inserido no SPC ou SERASA, ele pode realizar a consulta pela internet. 

  • Consulta pelo SPC: a consulta de nome no SPC é cobrada. Pois o seu banco de dados não pode ficar exposto publicamente. O consumidor pode se dirigir até a CDL da sua cidade e solicitar a consulta mediante o pagamento de uma pequena taxa. Para saber qual o posto mais próximo de você, acesse o site https://www.spcbrasil.org.br e faça a pesquisa.
  • Consulta pelo SERASA: a consulta do CPF pela SERASA é gratuita e pode ser feita pela internet. Para isso, basta acessar o site https://serasaconsumidor.com.br. Em seguida, será preciso realizar um cadastro e proceder com a validação das informações por e-mail.

Para evitar se enrolar em dívidas, o mais indicado é fazer um bom planejamento financeiro. Não demos gastar todo o dinheiro que ganhamos. É muito importante termos uma reserva para casos de emergência. Um dos maiores responsáveis por endividamento no Brasil é o cartão de crédito. Muita gente não sabe usar de forma moderada e se esquecem de que terão que pagar as compras no próximo mês. 

O Que é Pro Rata? Como é Calculado?

Em alguns momentos você já deve ter ouvido a expressão “pro-rata”. Porém, talvez não tenha se atentado para o que isso significa. Esse tipo de expressão é muito comum quando lemos um contrato de prestação de serviço, por exemplo.  

No post de hoje, iremos te ajudar a desvendar o que, de fato, esse termo significa. Continue lendo. 

A expressão Pro-Rata é de origem latina, e possui o sentido de divisão. “Medido Proporcionalmente” em tradução livre. É uma expressão bem conhecida em muitas áreas das finanças e da economia. É usada quando calculamos uma parte inteira dividida em frações iguais, como taxas de juros, dividendos, etc. Podemos usá-la também na contabilidade, quando calculamos o salário proporcional ao mês trabalhado, por exemplo. 

Quando usamos o pro-rata nos serviços de cobrança e prestação de serviços, por exemplo, ele é o valor proporcional considerado do dia em que foi feita a instalação ou alteração daquele serviço que foi contratado, até o início do período que se dará a cobrança. 

Como Calcular o Pro-Rata 

Para sabermos como calcular o pro-rata do serviço contratado, dividimos a quantidade de dias do mês em que o contrato de prestação de serviço teve início, multiplicamos pela quantidade de dias em que o serviço foi usado pelo cliente até a data de fechamento da fatura. Nem sempre o período de apuração irá corresponder ao mês fechado, ou seja, do primeiro ao último dia do mês. 

Vamos dar um exemplo: suponha que você tenha contratado um serviço de internet no dia 15 de determinado mês. Imagine também que a fatura fecha no dia 25 do mesmo mês de contratação e a data de vencimento seja no dia 01 do próximo mês. Nesse exemplo, o pro-rata desse serviço será o valor cobrado proporcionalmente referente aos 10 dias. 

A cobrança pro-rata também vale para cancelamento, a menos que essa cobrança tenha sido feita após a data da solicitação. 

O pro-rata não é uma cobrança ilegal, desde que o consumidor tenha sido devidamente informado no contrato assinado com a prestadora do serviço. 

Quando a assinatura é cobrada no momento da contratação do serviço, assim como também é especificado o melhor dia de pagamento, o prestador pode especificar também se deseja ou não que o contratante pague o pro-rata. Mas é preciso informar claramente ao consumidor. 

Vejamos um outro exemplo: imaginemos uma sociedade comercial constituída por 3 sócios, cada um com uma percentagem diferente. Dessa forma, a propriedade da sociedade é dividida de várias formas entre os três sócios. Quando chegar a hora de pagar os lucros e prejuízos, cada sócio receberá o seu pro-rata conforme a sua cota de ações na sociedade. Ou seja, de forma proporcional à sua participação no capital da empresa. 

Da mesma forma serão divididos os prejuízos. Se a empresa não obtiver lucro, o pro-rata será o valor negativo da empresa que será dividido de forma também proporcional aos acionistas. 

Quando se trata de ganhos de um trabalhador, quando o pro-rata é um meio que a empresa utiliza para pagar vencimentos extras para os seus funcionários em alguns meses do anos, mas não referentes a apenas esses meses, e sim como uma forma proporcional referente ao ano todo. 

Quando conhecemos o que é pro-rata e como ele é calculado, temos um melhor entendimento do valor cobrado em nossas faturas. Com ele, podemos conhecer melhor as seguintes situações: contratação do serviço, aumento ou redução do calor do serviço contratado, cancelamento de serviços e também quando houve uma renegociação de preço. 

É muito importante estar sempre atendo quando assinamos um contrato, pois eles podem ou não determinar o cálculo proporcional. 

Como Receber ou Transferir Seu Seguro Desemprego

Desde 2017, passaram a valer as novas regras para o Seguro Desemprego. É bom que todos os trabalhadores conheçam essas regras para evitar uma frustração se forem demitidos sem justa causa e precisarem dar entrada no benefício. 

O Seguro Desemprego é um benefício ao qual o trabalhador tem direito quando é dispensado sem justa causa do emprego. Quem paga o benefício é o Governo. O número de parcelas varia de 3 a 5, conforme o tempo trabalhado. O objetivo desse benefício é garantir que o cidadão tenha como se manter por um tempo até conseguir um novo emprego. 

Quem Tem Direito ao Seguro Desemprego? 

Confira abaixo quem tem direito ao benefício do Seguro Desemprego: 

  • O trabalhador forma e doméstico, quando dispensado sem justa causa, incluindo dispensa indireta;
  • O cidadão que estiver desemprego quando realizar o requerimento do benefício;
  • Pescador profissional durante o período do defeso;
  • Trabalhador resgatado da condição semelhante à de escravo,
  • Trabalhador formal que tiver o contrato de trabalho suspenso devido a participação em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador.

Como Receber o Seguro Desemprego? 

Confira abaixo os passos para dar entrada no benefício do Seguro Desemprego: 

  • Procure uma agência do SINE (Sistema Nacional de Emprego), Ministério do Trabalho ou Superintendência Regional do Trabalho e Emprego levando consigo todos os documentos abaixo:

-Carteira de trabalho; 

-Número do PIS; 

-CPF; 

-Documento de identificação; 

-Termo de rescisão do contrato de trabalho; 

-Documento de levantamento dos depósitos do FGTS, ou o extrato comprobatório dos depósitos, 

-Comprovante de residência. 

Você pode também ligar no SINE antes para se certificar que não falta nenhum documento. 

  • De posse dos seus documentos, o atendente irá conferir se você tem direito ao benefício, o valor e a quantidade de parcelas.
  • Feito isso, o atendente irá agendar as datas em que o valor estará disponível para saque.

Existem duas maneiras de receber o Seguro Desemprego. Uma delas é com o Cartão do Cidadão. O trabalhador deve se dirigir à uma agência da Caixa, correspondente CAIXA AQUI ou uma casa lotérica. Chegando lá, basta inserir o cartão no caixa eletrônico e clicar em “Saque Seguro Desemprego”. Informe a senha e confirme a operação. O dinheiro será entregue em seguida. Os saques feitos em caixas eletrônicos não permitem o saque de moedas. 

A outra maneira de sacar o benefício é juntar todos os documentos pessoais e se dirigir à uma agência da Caixa Econômica. O atendente irá conferir todos eles. Se estiver tudo ok, ele entregará uma senha para que o trabalhador seja atendido na boca do Caixa. Lá, será preciso apresentar a carteira de trabalho. O dinheiro será entregue em seguida, junto com o comprovante de saque. 

Se o saque for feito com transferência para a conta, o trabalhador deverá usar o código de operação 001 para o caso de conta corrente e 500 para conta poupança. 

Para que todo o processo corra bem, é preciso que todos os dados estejam corretos. Confira atentamente todas as informações contidas no Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho. Uma letra fora do lugar pode atrasar o recebimento do Seguro Desemprego. 

Se o trabalhador tiver uma conta poupança ou uma conta Caixa Fácil, as parcelas do seguro desemprego serão creditadas automaticamente na conta, desde que ela seja individual, tenha movimentação e saldo. 

O Seguro Desemprego Pode Cair Antes da Data Agendada? 

Não. A primeira parcela será creditada 30 dias após a solicitação. As próximas parcelas serão creditadas nos próximos meses, no mesmo dia em que a primeira parcela foi paga. Por exemplo, se a primeira parcela foi paga no dia 05, as próximas também serão pagas todo dia 05 de cada mês. 

O Que Fazer Se Não Recebeu a Restituição do Imposto de Renda?

A restituição do imposto de renda é devida a todas as pessoas que pagaram um valor maior do que o devido a título de Imposto de Renda durante o ano. O valor do imposto devido é descontado na folha de pagamento do trabalhador assalariado.  

As pessoas que possuem muitos gastos consigo ou com seus dependentes, seja com médico, educação, pensão, etc., conseguem restituir no ano seguinte os valores que pagou a mais. 

Quem tem algum valor para receber de restituição, deve se atentar aos lotes que são liberados a partir de junho. São, ao todo, sete lotes. Ou seja, até dezembro você tem a oportunidade de receber a sua restituição. 

O valor da restituição é corrigido conforme a taxa Selic. Porém, após ser liberada para o contribuinte, ela passa a não sofrer mais nenhum acréscimo. 

Não Recebi a Restituição a Que Tenho Direito. O Que Fazer? 

Se acontecer de, no momento de informar os dados bancários, alguma informação estiver incorreta, se a conta já tiver sido encerrada quando o lote for liberado, o valor será devolvido para o banco. Para conseguir recebê-lo, é preciso solicitar o pagamento junto ao Banco do Brasil dentro de um ano. Após esse prazo, será preciso formalizar um Pedido de Pagamento de Restituição acessando o site da Receita Federal. 

O pagamento do primeiro lote da restituição dá prioridade aos idosos e às pessoas com doenças graves e com deficiência. Depois de finalizados esses pagamentos, os contribuintes passam a receber conforme a data de entrega da declaração. Quanto antes ela tiver sido entregue, mais rápido será o seu pagamento. 

Posso Acompanhar a Minha Restituição? 

Sim. O contribuinte que quiser acompanhar a liberação da sua restituição, poderá acessar o site da Receita Federal e verificar o status. Se preferir, a consulta também pode ser feita pelo telefone do Receitafone, número 146, na opção 3. Há ainda uma terceira opção, que é pelo aplicativo para dispositivos móveis, que pode ser acessado de tablets e smartphones que usam os sistemas operacionais iOS e Android. 

O Que é a Malha Fina e Como Funciona? 

Se o contribuinte cometeu algum outro erro ou prestou informações divergentes na sua declaração, ele poderá cair na temida “malha fina”. Esse é o termo usado para o processo de verificação de possíveis erros e inconsistências encontrados na declaração. Assim, se for encontrado algum erro na declaração, ela será separada para que uma análise mais criteriosa possa ser feita. Somente após a apuração dos fatos é que a restituição será liberada. Isso se o contribuinte tiver mesmo direito a ela. 

Confira abaixo algumas das situações que podem levar o contribuinte a cair na malha fina: 

  • Se o contribuinte deixar de informar algum rendimento que tenha recebido no decorrer do ano. Pode ser que ele tenha trabalhado em alguma empresa e se esqueça de informar;
  • Informar despesas médicas divergentes com os seus recibos, em especial na função da DMED;
  • Se acontecer alguma alteração no informe de rendimento e o funcionário não for informado;
  • Informar valores e dados da ficha de rendimentos tributáveis divergentes dos descritos no informe de rendimentos;
  • Não informar rendimentos provenientes de aluguel recebidos ao longo do ano;
  • Deixar de preencher a ficha de ganhos de capital em casos de alienação de bens e de direitos;
  • Se a empresa deixar de repassar o IRRF do empregado durante o ano;
  • Não informar rendimentos e demais informações sobre os dependentes;
  • Lançar os mesmos dependentes se a declaração for feita separada pelos cônjuges ou companheiros;
  • Ter uma mesma pessoa inclusa em duas declarações ao mesmo tempo;
  • Informar dependentes sendo que não existe uma relação de dependência de fato,
  • Incluir dependentes indevidamente.
  • Etc.

Como Funciona o Registrato do Banco Central?

O Registrato é o mesmo que “Extrato de Registro de Informação no Banco Central”. É um sistema que foi desenvolvido em 2014 para ajudar o cliente a verificar, de forma gratuita, como é o seu relacionamento com as instituições financeiras. Por exemplo, pelo Registrato, o cliente consegue verificar em quais bancos ele tem conta aberta, caso tenha se esquecido, ou qual o tipo de vínculo ele tem com algum banco ou instituição financeira. O sistema é administrado pelo Banco Central. E foi ele também quem o desenvolveu. 

O cliente ainda consegue verificar as transações de crédito, como suas dívidas em bancos, ou empréstimos contratados. Em muitos casos, o seu histórico de crédito pode ser usado como comprovante de uma pessoa boa “pagadora”. O cliente consegue gerar relatórios com todo o seu histórico bancário.  

Quais Relatórios É Possível Gerar no Registrato? 

O Registrato permite que vários relatórios possam ser gerados. Conheça cada um deles abaixo: 

  • Sistema de Informações de Crédito

No sistema de informações de crédito, ou SRC, o cliente é capaz de conferir todas as informações relativas a operações de crédito. Isso inclui financiamentos, empréstimos e também outras opções. Por meio desse relatório, é possível verificar todas as operações feitas com valores mínimos de R$ 200,00. Além disso, ainda é possível conferir em qual instituição financeira ou banco os créditos foram realizados. 

  • Cadastro de Clientes no Sistema Financeiro

O Cadastro de Clientes no Sistema Financeiro, ou CCS, é um banco de dados onde são informadas todas as instituições financeiras onde o cliente tem ou já teve alguma espécie de relacionamento. Por meio desse relatório, o cidadão consegue verificar, por exemplo, se existe alguma conta bancária aberta da qual ele não se lembra. 

O registrato permite ao cidadão, o acesso seguro e rápido à todas as suas informações de operações de crédito, além de demais relacionamentos com o sistema financeiro. 

Isso facilita muito para o cidadão que, antes, para ter acesso à todas essas informações, ele precisava ir pessoalmente à representações do Banco Central ou enviar pelos Correios as cópias autenticadas e com firma reconhecida em cartório, dos seus documentos pessoais, para conseguir ter acesso às informações que o registrato disponibiliza hoje. 

Como Acessar o Registrato? 

Se a pessoa tiver um Certificado Digital ICP-Brasil, o acesso é bem simples. Basta entrar no site https://www.bcb.gov.br/pt-br/sfn/registrato/ e efetuar o login com o Certificado. 

Que não tem cadastro, basta acessar o site www.bcb.gov.br/registrato e seguir com os passos solicitados para realizar o cadastro. Em seguida, será preciso acessar o Internet Banking de algum banco em que tenha uma conta bancária. Depois, é preciso ir em “Primeira vez no Registrato” e selecionar a opção “Sou pessoa física”. 

Ao terminar o cadastro no site do registrato, uma frase de segurança será gerada. O usuário deverá ir até o internet banking do banco em que tenha conta e validar a frase de segurança. Feito isso, uma senha de acesso será gerada para que o usuário possa ter acesso ao registrato. A recomendação é alterar essa senha no primeiro acesso ao sistema. 

As informações disponíveis no registrato podem demorar em torno de 45 para serem atualizadas. E o usuário tem a possibilidade de fazer o download de todas as suas informações pessoais disponíveis no Sistema Financeiro Nacional. E tudo isso sem precisar sequer sair de casa. 

O principal objetivo desse sistema é fazer com que o cidadão consiga gerenciar a sua vida financeira de maneira mais eficiente. Esse sistema também facilita muito na hora de as instituições financeiras realizarem o processo de cadastro do cidadão, além de facilitar a obtenção de crédito.  

Como Conferir Uma Guia GRRF? 

A Guia de Recolhimento Rescisório do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), também chamada de GRRF, é usada para o recolhimento de valores referentes à multa rescisória, aos depósitos do FGTS relativos ao mês de rescisão e também do mês anterior e aviso prévio indenizado, se esses valores ainda não tiverem sido recolhidos. O FGTS deve ser depositado mensalmente pela empresa em benefício do trabalhador. A empresa é obrigada a realizar o depósito e o valor do FGTS serve como uma forma de ajudar o trabalhador em caso de o mesmo ser demitido sem justa causa. 

A GRRF é o documento que dá ao trabalhador a permissão para que ele saque o dinheiro que foi depositado a título de FGTS, assim como os valores devidos em caso de demissão. 

A responsabilidade em gerar a GRRF é do setor departamento de pessoal da empresa ou da contabilidade. E todas as pessoas físicas e jurídicas que precisam realizar o recolhimento do FGTS devem usar a GRRF.  

A GRRF se destina às seguintes pessoas: 

• Rescisão pelo término do contrato a termo; 

• Rescisão sem justa causa; 

• Rescisão antecipada do contrato a termo por iniciativa do empregador; 

• Rescisão por culpa recíproca, de ambas as partes; 

• Rescisão indireta, se o empregador cometer alguma falta grave, 

• Rescisão por forma maior, como a falência da empresa, por exemplo. 

A GRRF pode ser gerada pelo arquivo rescisório do Conectividade Social. Mas é preciso ter a certificação digital. Para obtê-la, é preciso acessar o site do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação e seguir corretamente as instruções.  

Como Calcular a GRRF?   

O cálculo da GRRF é muito simples de fazer. Usando aplicativo, podemos calcular de forma automática, sem grandes chances de erro e de forma segura. Esse aplicativo é capaz de calcular o valor total da multa rescisória, o valor do depósito do FGTS referente ao mês de rescisão e também ao mês anterior, e também o aviso prévio indenizado, se houver.  

Como Calcular a Data de Vencimento de Uma GRRF? 

Para calcularmos a data de vencimento de uma GRRF, precisamos saber qual o tipo do aviso prévio: se é foi aviso prévio trabalhado, se aviso prévio indenizado ou se com dispensa de aviso prévio. Confira cada uma das situações: 

• Dispensa com aviso prévio trabalhado: mês de rescisão, mês anterior à rescisão e o 1º dia útil posterior à data em que ocorreu o desligamento. 

• Aviso prévio indenizado ou a dispensa de aviso prévio: até o dia 07 do mês de rescisão. Para o recolhimento do mês de rescisão, o prazo para o recolhimento tanto do aviso prévio quanto da multa rescisória é até o 10º dia corrido, que começa a valer a partir do dia imediatamente posterior ao dia do desligamento. Se acontecer de o 10º dia corrido acontecer posteriormente ao dia 07 dopróximo mês, o vencimento do aviso prévio indenizado e da rescisão será no próximo dia 7. 

Como Faço Para Conferir a GRRF? 

Normalmente, a conferência da GRRF não se faz necessário, pois o cálculo é feito automaticamente através de um aplicativo autorizado, cuja gestão fica sob a responsabilidade do governo. Dessa forma, o erro no cálculo será algo difícil de acontecer. Mas, se mesmo assim você quiser conferir se os cálculos estão corretos, é possível conferir seguindo os passos abaixo: 

• É preciso somar o valor correspondente a 8% do mês de rescisão mais o saldo do FGTS; 

• Do valor que você encontrar, deverá calcular 40% sobre ele. 

• Ao valor referente aos 40%, deve ser acrescentado mais 8% referente ao mês de rescisão. Assim, você chega ao valor atualizado da GRRF. 

O Que é Seguro Prestamista? Preciso Pagar?

O Que é Seguro Prestamista? Preciso Pagar? 

Quando estamos prestes a comprar um automóvel, ou um imóvel, por exemplo, logo pensamos o que poderia acontecer se não conseguíssemos pagar a dívida. É para situações como essa que foi criado o seguro prestamista. Esse seguro foi feito para acabar com o risco de inadimplência. 

Em sua apólice, o seguro prestamista garante que a dívida do contratante seja paga em casos de alguma causalidade. 

O seguro prestamista é uma garantia de que suas dívidas serão quitadas em caso de invalidez, de morte, da perda da renda de autônomo ou de desemprego involuntária. Se caso algumas dessas situações acontecer, a quantia paga irá depender das coberturas que foram contratadas pelo segurado. E o valor a receber será limitado ao valor pago como garantia da dívida de operações de crédito, arrendamento mercantil ou financiamento. 

Como o Seguro Prestamista Funciona? 

Para a empresa, esse seguro funciona como uma ferramenta que ajuda a reduzir a inadimplência. No caso dos familiares da pessoa segurada, esse seguro serve para garantir a preservação do patrimônio que já adquiriram. Dessa forma, o seguro é benéfico tanto para a empresa quanto para os consumidores. A empresa recebe o valor que lhe pertence e o contratante tem a dívida que contraiu quitada em casos de sinistros, desde que sejam cobertos pela apólice. Em caso de algum imprevisto acontecer, o seguro oferece proteção financeira para pagar o saldo das dívidas, ou uma certa quantidade de parcelas, se tiverem compras parceladas. 

É uma forma de seguro de vida em grupo. Veja abaixo alguns dos exemplos em que se pode usar o seguro prestamista: 

• Cheque especial de bancos; 

 Consórcios; 

 Empréstimos com pagamento consignado em folha; 

 Empréstimos junto a financeiras e bancos; 

 Financiamentos de bens (veículos, imóveis, eletrodomésticos e outros), 

 Cartão de crédito (para cobrir o saldo de cartão). 

Benefícios do Seguro Prestamista 

Confira abaixo os principais benefícios que o seguro prestamista pode oferecer: 

 Proteção para os investimentos feitos em consórcio ou financiamento: esse seguro protege o patrimônio e garante uma maior segurança financeira para toda a família. 

 Tranquilidade em ter dívidas quitadas em caso de sinistro: se algum dos sinistros cobertos em contrato por ventura acontecer, o segurado e sua família terão a sua dívida quitada, e afastarão o risco de inadimplência. 

• segurado terá a certeza de que não ficará inadimplente por causa de alguma casualidade: para proteger a sua família e evitar constrangimentos e problemas, nada melhor do que agir para evitar o risco de inadimplência. 

Quem Contrata o Seguro Prestamista? 

A venda do seguro é feita por meio da instituição financeira ou da loja, a partir do momento em que tenham parceria com alguma companhia de seguros. Assim, não é o consumidor quem compra o seguro prestamista na seguradora diretamente. 

Quais São as Linhas de Crédito Que Possibilitam a Contratação do Seguro Prestamista? 

Confira abaixo a relação completa: 

• Crédito Consignado; 

• Crédito de Bens e Consumo Duráveis; 

• Crédito pessoal; 

• Financiamento de veículos; 

• Crédito Direto Caixa; 

• Cheque Especial Pessoa Física; 

• Capital de Giro; 

• Construcard; 

• Moto Frete; 

• Microcrédito; 

• Crédito Consignado Renovação, 

• Demais operações. 

Código de Defesa do Consumidor 

Um credor não pode acrescentar de forma enganosa o seguro prestamista no seu empréstimo sem a sua permissão. Por isso, sempre que precisar assinar qualquer documento relativo à empréstimo, verifique antes com o credor se o empréstimo principal que está contratando inclui algum seguro prestamista. 

É contra a lei a inclusão do seguro sem o consentimento do consumidor. Por isso, fique sempre atento. 

Como Sacar o FGTS? Regras e Contas Inativas 

Como Sacar o FGTS? Regras e Contas Inativas

O FGTS, ou Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, é um direito de todos os trabalhadores cujo contrato de trabalho é regido pela CLT, ou Consolidação das Leis do Trabalho. É uma obrigação que o empregador tem de depositar um valor equivalente à 8% do salário do empregado nessa conta.  

Além desses, os trabalhadores rurais, domésticos, avulsos, temporários, atletas profissionais e safreiros (que são os operários que trabalham somente durante o período da colheita, também têm direito ao FGTS. 

Esse valor deve ser sacado em caso de demissão sem justa causa do funcionário em outras situações também. Confira abaixo: 

• Em caso de demissão sem justa causa, como dissemos; 

 Em caso de término do contrato por culpa das duas partes, da empresa e do empregado. Ou por algum motivo de força maior, como uma enchente ou algum incêndio atingir a empresa, por exemplo; 

 Pelo término de um contrato por tempo determinado; 

 Em casos de trabalhador “avulso”, que não tenha vínculo empregatício, mas feito por meio de uma entidade de classe, e o trabalhador fica suspenso por um período de 90 dias ou mais. 

 Se o término do contrato se deu pelo fechamento da empresa, seja em caso de extinção total da empresa, pelo fechamento de algum estabelecimento ou pela extinção de parte das suas atividades. 

Existem também outras hipóteses em que o trabalhador pode sacar o FGTS em todas as contas existentes. Confira abaixo: 

• Quem já está aposentado; 

• Quem vai comprar a sua casa própria; 

• Quem tem 70 anos ou mais; 

• A pessoa que vive em uma área que sofreu algum tipo de desastre natural, como vendaval ou enchente, porexemplo; 

• Se o trabalhador ou o seu dependente estiver com câncer; 

• Se o trabalhador ou o seu dependente for portador do vírus HIV; 

• Se o trabalhador estiver em estágio terminal devido a alguma doença grave; 

• Para ajudar o trabalhador a pagar um imóvel financiado pelo FSH (Sistema Financeiro de Habitação); 

• Que fica 3 anos seguidos sem trabalhar com carteira assinada, 

• E para ajudar a pagar um imóvel comprado através de um consórcio. 

Em caso de morte do trabalhador, os dependentes podem sacar os recursos disponíveis nas contas de FGTS. 

O trabalhador também pode sacar todo o valor que estiver em sua conta do FGTS quando se aposentar. Caso o trabalhador se aposente e continue trabalhando na mesma empresa, ela deverá continuar depositando o valor do FGTS, e o trabalhador poderá sacá-lo todos os meses.  

Em contrapartida, se o trabalhador se aposentar e continuar trabalhando, só que em outra empresa, será preciso aguardar até o término do contrato de trabalho para poder sacar o seu FGTS depositado por essa nova empresa. 

Saque de FGTS de Contas Inativas 

A Caixa liberou o saque do FGTS para todos os trabalhadores que pediram demissão ou que tiveram o seu contrato de trabalho rescindido por justa causa até 31/12/2015. 

Para receber o valor, a Caixa disponibilizou quatro opções, conforme abaixo: 

• Autoatendimento: para os valores até R$ 1.500,00, o pagamento seria feito com a senha do Cartão Cidadão. Para os valores até R$B 3.000,00, já seria preciso estar com o Cartão Cidadão e com a senha. 

• Crédito em conta Caixa: quem é correntista da Caixa pode autorizar o recebimento do crédito em conta através do site da Caixa (www.caixa.gov.br/contasinativas). 

• Correspondentes Caixa Aqui e Lotéricas: para valores de até R$ 3.000,00, precisa apresentar o documento de identificação do trabalhador, juntamente com o Cartão do Cidadão e a senha. 

• Agências da Caixa: é preciso estar com o número de inscrição do PIS/PASEP, comprovante de finalização do contrato de trabalho, que pode ser a carteira de trabalho ou o termo de rescisão do contrato de trabalho, e o documento de identificação do trabalhador.