Como Receber o INSS no Teto? Como Calcular a Melhor Aposentadoria

Como Receber o INSS no Teto? Como Calcular a Melhor Aposentadoria

Se aposentar com um salário alto é, sem dúvida, o desejo de todas as pessoas. Porém, para que isso seja possível, é preciso ter uma boa contribuição por um período bem longo.

Essa é uma questão muito discutida entre as pessoas hoje em dia. Mas, antes de nos aprofundarmos, vejamos o que significa o teto de aposentadoria. O teto é o valor máximo que o Estado poderá pagar para o aposentado. É importante calcular o teto porque muitas pessoas estão ganhando valores extremamente superiores ao salário mínimo. É por isso que o teto existe, como uma forma de limitar os gastos do governo com a previdência e evitar um desequilíbrio no sistema previdenciário.

O Que Fazer Para Conseguir se Aposentar Com o Teto Máximo?

O teto máximo para a aposentadoria é de R$ 5.645,80. Mas, enfim, o que é preciso fazer para conseguir se aposentar recebendo o teto do salário mínimo? Esse é o desejo de todo trabalhador que está prestes a se aposentar. Até mesmo daqueles que ainda vão demorar, mas já podem ir se planejando para garantir um benefício tão atraente. A questão é que, para chegar ao valor do benefício, são realizados inúmeros cálculos. Até mesmo pessoas que passam a ter um salário mais alto em certo momento das suas vidas podem não receber o teto máximo de aposentadoria.

Apesar disso, ainda há uma maneira bem cara de se receber o teto, que é contribuindo com o INSS com 11% do teto salário mínimo por, no mínimo, 80% de sua vida produtiva.

Como contribuir para aposentar com o teto do INSS?

No momento de realizar o cálculo da aposentadoria, as 20% contribuições de menores valores serão descartadas, e passe-se a considerar apenas as 80% contribuições de maior valor. Por isso é que, quem deseja se aposentar com o teto máximo, precisa contribuir com pelo menos 80% da sua vida produtiva com 11% do teto.

Caso a contribuição do trabalhador assalariado seja menor que a contribuição do teto máximo, ele pode complementar pagando o valor que falta por meio do carnê do RGPS, encontrado em todas as papelarias.

Esse é o mesmo carnê que os trabalhadores autônomos utilizam para realizar as suas contribuições normais. Para ter acesso à todas as informações sobre as faixas de contribuições, basta acessar o site da Previdência Social.

Complementar a contribuição com o INSS é uma boa alternativa para trabalhadores com carteira assinada. Pois o valor retirado do salário representa uma parcela menor do que a contribuição de um trabalhador autônomo, que deveria pagar o valor integral, correspondente à 11% do valor do teto máximo da aposentadoria.

O problema é que, dependendo do salário que a pessoa ganha, o valor a complementar pode representar uma porcentagem muito alta do salário. Se tornando inviável, dependendo da situação.

Por isso, é sempre recomendável realizar um planejamento para a sua aposentadoria com antecedência, para que, quando chegar a hora, você possa ter a tranquilidade que tanto merece.

Benefícios da Previdência

Além de ter direito à aposentadoria, a contribuição com o INSS também oferece outros benefícios para o contribuinte, levando em consideração o prazo de pagamento e independente de qual seja a sua faixa de contribuição. Confira abaixo:

  • Aposentadoria por idade (60 anos para mulheres, 65 para homens);
  • Aposentadoria por tempo de contribuição (35 anos de contribuição);
  • Auxílio doença;
  • Aposentadoria por invalidez;
  • Salário Maternidade;
  • Auxílio-reclusão

Dessa forma, contribuir com o INSS é sempre recomendável, para garantir os acessos a todos os benefícios acima, quando necessário.

Outra questão importante é poder garantir uma renda maior quando se aposentar. Vale a pena complementar a renda para ter acesso a um benefício maior.

 

Deixe um comentário