O Que São Serviços Essenciais? Como Ter Uma Conta Bancária Sem Tarifas

O Que São Serviços Essenciais? Como Ter Uma Conta Bancária Sem Tarifas

Quando abrimos uma conta corrente, o gerente costuma tentar nos “empurrar” uma cesta de serviços ou um pacote de serviços, que possuem valores mensais a pagar, e esses valores variam de um banco para outro. 

O problema é que, na maioria das vezes, essas cestas possuem serviços que você pode usar muito pouco ou nunca. Dessa forma, você acaba pagando um valor todo mês por um serviço que nem precisa. 

Porém, o que quase ninguém sabe é que, de acordo com determinação do Bacen, os bancos são obrigados a oferecer aos clientes a conta corrente gratuita, com o pacote de serviços essenciais. 

Quais São os Serviços Essenciais? 

Conforme a Resolução 3.919 de 2010, todos os bancos são obrigados a oferecer aos clientes o pacote de Serviços Essenciais gratuito. Para a grande maioria das pessoas, os serviços disponíveis nessa conta são mais que suficientes. Nesse pacote, estão inclusos os serviços abaixo sem a cobrança de nenhuma tarifa: 

  • Duas transferências por mês entre contas da mesma instituição;
  • 1 talão de cheques por mês contendo 10 folhas;
  • 4 saques no caixa eletrônico ou em guichê do caixa por mês;
  • Acesso ao internet banking;
  • 1 extrato anual;
  • 2 extratos por mês nos caixas eletrônicos,
  • Cartão de débito para movimentação da conta, compras e saques.

Todos os bancos são obrigados a oferecer aos seus clientes pessoa física a opção da cesta de serviços essenciais. Além do mais, na tabela de tarifas do banco deve constar o pacote de serviços essenciais. Se desejar, o cliente pode, a qualquer momento, solicitar a migração para a cesta de serviços gratuitos sem a necessidade ter que abrir uma nova conta. 

Como Ter Uma Conta Bancária Sem Tarifas? 

Todo cidadão tem direito a ter uma conta bancária sem tarifa. E, quando se fala em conta corrente, a gente logo pensa nas tarifas e taxas cobradas pela manutenção, movimentação e uso dos serviços disponíveis na conta. No entanto, conforme já informamos, todos os bancos são obrigados a disponibilizar o pacote de serviços essenciais aos clientes. Serviços esses que são o mínimo que o cidadão precisa para movimentar a sua conta corrente. 

Quais as Taxas Que os Bancos Cobram de Correntistas? 

De acordo com o tipo de pacote contratado pelo cliente, o banco cobra uma taxa diferente. Existem várias opções de valores, conforme a quantidade e variedade de serviços contratados na cesta no momento da abertura da conta. 

Seguem abaixo as taxas que os bancos são autorizados a cobrar dos correntistas: 

  • Realização de saques em caixas eletrônicos;
  • Depósitos;
  • Impressão de talão de cheque;
  • Realização de saques na conta corrente;
  • Abertura da conta;
  • Transferências eletrônicas via TED ou DOC,
  • E impressão de extratos bancários.

Os valores podem ser cobrados por serviços executados ou por pacotes de serviços contratados. E cada banco tem autonomia para definir os valores que irá cobrar por cada um dos serviços. 

Ter uma conta corrente gratuita é uma boa opção para os clientes que não usam muitos serviços no mês e nem precisam movimentar muito a sua conta. Agora, para as pessoas que usam mais os serviços e que precisam movimentar com mais frequência a conta, o ideal é contratar um pacote de serviços que atenda bem às suas necessidades. Pois pagar um valor pelos serviços avulsos pode ficar bem mais caro. 

Antes de contratar qualquer pacote de serviços, compare os valores praticados por outros bancos também. E fique sempre atento ao que está informado no contrato. Verifique o que está e o que não está incluso no seu contrato, para não ser cobrado pelo que não contratou. 

 

O Que é Uma TEC? Como Funciona e Quais os Prazos

O Que é Uma TEC? Como Funciona e Quais os Prazos

Uma TEC, ou Transferência Especial de Crédito, é um tipo de depósito que costuma causar uma certa dúvida na cabeça das pessoas que, geralmente, ficam se perguntando o que a sigla significa e de onde veio aquele dinheiro. 

No post de hoje, daremos mais detalhes do que é e de como a TEC funciona. Continue lendo. 

A TEC é uma forma de transferência de fundos, que pode ser feita tanto de uma pessoa física quanto de uma pessoa jurídica. O destinointermediário é uma instituição financeira, que fará um conjunto de transferências de crédito, que se destina a pessoas físicas ou pessoas jurídicas de outras instituições financeiras. Confira abaixo os componentes de uma transação tipo TEC: 

• A instituição financeira remetente, que atua como a intermediária da transação financeira para o remetente; 

• O remetente, responsável por ordenar a transferência de crédito; 

•  A instituição financeira destinatária, que atua como a intermediária da transação financeira para o destinatário, 

• E os beneficiários, que são as pessoas físicas ou jurídicas que receberão a transferência. 

Existe Limite Para Uma TEC? 

Sim. O limite é de R$ 4.999,99, e só pode ser usado para apenas uma única transferência de crédito. O valor será creditado na conta dodestinatário dentro do período limite pelas transações de TED ou DOC. 

As transferências via DOC e TED podem ter apenas um beneficiário. Já a transferência via TEC pede ter mais de uma conta de destino. E só é usada uma transação e é cobrada apenas uma tarifa para que essa transferência seja feita para mais de um beneficiário. 

Como Realizar Uma TEC? 

É possível emitir uma TEC de uma instituição financeira para uma transferência de crédito em nome de terceiros ou em nome próprio. Éfundamental identificar o emitente pelo nome ou pela razão social, e pelo CPF ou CNPJ. 

Podemos fazer uma TEC da mesma forma que fazemos uma TED ou um DOC. Mas vale lembrar que, no caso da TED, o dinheiro cai na conta no mesmo dia em que foi transferido, após alguns minutos apenas. Já no caso do DOC, demora mais. O dinheiro só cai na conta no dia útil seguinte à transferência. Isso desde que a transferência seja feita dentro do horário de funcionamento. 

A emissão da TEC pode estar condicionada ao pagamento de uma tarifa, que é a mesma tarifa do DOC ou da TED. Se essas transações estiverem inclusas no seu pacote de serviços, então não será preciso pagar mais por elas. Por isso, é importante que, antes de efetuar a transferência, você confira o que está ou não incluso no pacote que você contratou. 

Quando Realizar Uma TEC? 

Quando o remetente precisa se identificar para o beneficiário e/ou quando é preciso transferir valores para mais de uma conta ao mesmo tempo é que a TEC se faz necessária. Dessa forma, o remetente não precisa realizar várias transações via DOC ou TED, uma para cada conta. Somente uma para várias contas diferentes.  

Os métodos de transferência eletrônica oferecem muito mais segurança e comodidade para os usuários. 

Além de evitar que a pessoa ande com dinheiro em espécie, correndo o risco de assaltos, é uma maneira de transferir dinheiro de onde estiver e a qualquer hora. Como as pessoas estão cada vez mais ocupadas, toda forma de comodidade é bem-vinda, ainda mais quando não é preciso sequer sair de casa. As transferências eletrônicas podem ser feitas pelo internet banking, pelo celular, pelos caixas eletrônicos e direto na boca do caixa. Mas a maioria das pessoas que conhecem e sabem como funcionam usam a internet e o celular, por ser mais prático e dispensar a ida até a agência e caixa eletrônico.

Transferência Tipo DOC, TED, TEF, TEV e TEC: Quais as Diferenças?

Transferência Tipo DOC, TED, TEF, TEV e TEC: Quais as Diferenças?

Existem várias opções de transferências bancárias, as quais possibilitam que possamos transferir valores de um banco para outro de forma eletrônica. 

Hoje, falaremos das diferenças entre as principais opções. 

O Que é o DOC? 

O DOC (Documento de Ordem de Crédito), é uma forma de transferência na qual é possível enviar dinheiro de uma conta para outra do mesmo banco ou de bancos diferentes. O prazo de compensação desse tipo de transferência é um pouco mais demorado. Em geral, o dinheiro costuma cair na conta do beneficiário somente no próximo dia útil após o envio. 

Para realizar um DOC, é preciso informar os dados bancários do beneficiário, o número do CPF ou CNPJ, o nome completo e o número do banco. 

Não existe valor mínimo para ser transferido via DOC. Porém, existe um limite máximo, que é de R$ 4.999,99. 

O DOC pode ser feita pelo internet banking, pelo caixa eletrônico, pelo celular e direto na agência. 

O Que é a TED? 

A TED (Transferência Eletrônica Disponível), é outra opção de transferência eletrônica, que também permite enviar dinheiro de uma conta para outra do mesmo banco ou de bancos diferentes. Nesse caso, o prazo de compensação é bem menor. O dinheiro costuma cair na conta do beneficiário no mesmo dia da transferência, em apenas alguns minutos após o envio. 

Para realizar uma TED, também é preciso informar o nome completo do beneficiário, os dados bancários, o CPF ou CNPJ e o número e nome do banco.  

Não existe limite mínimo e nem máximo para ser transferido via TED. O usuário pode enviar qualquer valor. 

A TED também pode ser feita pelo internet banking, pelo caixa eletrônico, pelo celular e direto na agência. 

O Que é TEF? 

A TEF (Transferência Eletrônica de Fundos), é um tipo de movimentação financeira de uma pessoa para outra, ou para uma empresa, por meio do cartão de crédito, de débito ou de outras formas. O uso da TEF é muito comum em estabelecimentos comerciais que usam máquinas de cartão. Em que o pagamento das compras é feito com o cartão de crédito ou de débito. Se estiver autorizado na conta bancária, a TEF também pode estar disponível pelo terminal de autoatendimento, pelo internet banking e nos caixas do banco. 

O Que é TEV? 

A TEV (Transferência Eletrônica de Valores), é uma maneira de transferir dinheiro de uma conta para outra, de titularidade diferente. Mas é preciso que o banco do emitente e do beneficiário seja o mesmo. 

O prazo de compensação é bem rápido também. Normalmente, o dinheiro fica disponível na conta do beneficiário em poucos minutos após o envio. 

O Que é TEC? 

A TEC (Transferência Especial de Crédito), é um tipo de transferência de fundos feita de uma pessoa física ou jurídica, cujo intermediário é uma instituição financeira, onde é feito um conjunto de transferências de crédito, que se destinam a pessoa física ou jurídica de uma outra instituição financeira. 

O limite para realizar uma TEC é de R$ 4.999,99. Valor que só pode ser usado para uma transferência de crédito apenas. 

Ao contrário do que ocorre com o DOC e com a TED, a TEC pode ter mais de uma conta de destino, em que é feita apenas uma transação e o pagamento de apenas uma tarifa para enviar para mais de uma conta. 

Para realizar uma TEC, é preciso informar o nome completo do beneficiário e o CPF ou CNPJ. 

Ao realizar uma TEC, será cobrada uma tarifa, que é a mesma para o DOC ou TED. É possível também ter esse serviço incluso no pacote de serviços.

O Que é IBAN? Como Descobrir o IBAN de Sua Conta

O Que é IBAN? Como Descobrir o IBAN de Sua Conta

Quando uma pessoa precisa realizar uma transferência internacional, geralmente são solicitadas algumas siglas no decorrer do processo, pois são necessários alguns códigos para que se possa realizar certas transações, como o IBAN, BIC e SWIFT. Se a pessoa não tem o costume de fazer esse tipo de transação, ela certamente encontrará uma certa dificuldade ou dúvida. Mas, se for realmente preciso realizar a transferência internacional, será preciso conhecer esses códigos. 

Para Que Servem Esses Códigos? 

Esses códigos surgiram para facilitar as transferências internacionais. E as siglas são usadas para identificar os bancos, para que os países que não falam o mesmo idioma tenham uma percepção mais padronizada de dados. 

Mas o Que é o IBAN? 

A sigla IBAN significa Número Internacional de Conta Bancária (Bank Account Number). É um código criado em 1997, e que tem como objetivo identificar as transferências internacionais de dinheiro para contas bancárias no Brasil.  

No Brasil, o código IBAN é composto por 29 caracteres, mas pode ter até 34 caracteres ao todo. E eles são divididos da seguinte forma: 

• 2 caracteres que correspondem ao código do país; 

• 8 caracteres que correspondem ao identificador da instituição financeira; 

• 5 caracteres que correspondem à identificação da agência bancária, sem o dígito verificador; 

• 10 caracteres numéricos que correspondem ao número da conta do cliente, com o dígito verificador; 

• 1 caractere que corresponde ao tipo de conta, 

• 1 caractere que corresponde à identificação do titular da conta. 

O código IBAN fica disponível no contrato de abertura de conta, ou pode também ser encontrado na seção de transferências internacionais da área logada dos bancos. 

Outra forma de consultar o código pelo site do IBAN, que possui a versão em português. Basta clicar em “calcular IBAN”. Se quiser validar o código, clique em “Validar IBAN” Caso queira, o cliente ainda tem a opção de ligar para a sua agência ou para o gerente e solicitar o código IBAN. 

Hoje em dia, cerca de 69 países usam o código IBAN em suas transações. E a lógica da sua composição segue um padrão. 

Conforme a agência e a conta, o IBAN pode mudar. E algumas instituições financeiras pedem não só o código IBAN, como também o SWIFT para finalizar a transação. 

O Que é o Código SWIFT ou BIC? 

O código SWIFT, ou BIC (Bank International Code) como também é chamado, é uma maneira de identificar os bancos. Ambos possuem a mesma função, que é identificar todas as instituições bancárias do mundo por meio do código universal único. Esse código pode ter de 8 a 11 caracteres. A ideia é facilitar as transações financeiras, principalmente no caso de transferências internacionais. Para identificar cada região de individualmente, é possível que os bancos possuam mais de um código SWIFT ou BIC. 

Veja o exemplo abaixo para saber como é formado o código SWIFT:  

código “BRASBRRJSPO” é refente ao Banco do Brasil de São Paulo. Vejamos os significados do código desmembrado. Os primeiros 4 caracteres servem para identificar o banco; os próximos 2 caracteres servem para identificar o país; os outros dois códigos identificam a cidade da agência; seguido do estado sede. É possível ainda que o código tenha mais 3 caracteres, que identificam o ramo de atuação, ou o código do escritório principal do banco. Geralmente, nos sites dos bancos é possível encontrar os códigos SWIFT. Caso não tenha, será preciso entrar em contato com a sua agência e solicitar o código. Através do site https://www.theswiftcodes.com/brazil/ para tentar encontrar o código. 

O uso desses códigos ajuda muito às instituições financeiras e facilita para que aquelas pessoas que não moram na mesma localidade e nem falam o mesmo idioma consigam fazer transações bancárias de uma maneira segura e padronizada.

Para Fazer TED Uso Compe ou ISPB?

Para Fazer TED Uso Compe ou ISPB?

As transferências eletrônicas vêm sendo tratadas com muita frequênciaAinda assim, é comum surgirem dúvidas. A TED, ou Transferência Eletrônica Disponível, se destina ao envio de dinheiro para contas de outros bancos. 

O cliente consegue transferir qualquer valor usando a TED. Não há limite mínimo e nem máximo. O que mais atrai as pessoas a usarem a TED é a rapidez na transação. O dinheiro cai na conta do favorecido em poucos minutos após a transferência. Esse é o grande diferencial desse tipo de transação. 

No caso do DOC, Documento de Ordem de Crédito, o dinheiro só cai na conta no próximo dia útil. 

Para realizar a TED, o cliente precisa ter em mãos os dados bancários do beneficiário, como o número da sua conta, da agência, o nome do banco, o número do CPF e o nome completo do receber. É possível realizar a TED pelo celular, pelo internet banking, pelos caixas eletrônicos ou direto na agência bancária. 

COMPE E ISPB 

No momento em que estamos realizando a TED, o banco pede o código de identificação da instituição bancária que irá receber o dinheiro. Esse código é composto de 3 dígitos, e recebe o nome de Compe. Para outras instituições financeiras, como as cooperativas de crédito e corretoras, o código de identificação usado é composto por 8 dígitos e tem a mesma finalidade de identificar bancos e as demais instituições financeiras. Esse código é chamado de ISPB. 

O Que é ISPB? 

O ISPB, ou Identificador de Sistema de Pagamentos Brasileiro, é usado para identificar os bancos no sistema de transferência de reservado Banco Central. É por esse motivo que certas instituições financeiras são registradas somente no ISPB. Já a grande maioria dos bancos está cadastrada tanto no ISPB quanto no COMPE. 

O Que é COMPE? 

COMPE, ou Sistema de Compensação de Cheques e Outros Papéis, é um código composto por 3 dígitos que serve para identificar os diferentes bancos. Ele tem o intuito de facilitar a compensação de cheques. 

O Que Usar Para Fazer DOC e TED: COMPE OU ISPB? 

Para realizar essas transações, usamos sempre o COMPE. A menos que o banco ou instituição não tenha esse número. Aí, nesse caso, será preciso informar o número do ISPB manualmente, que é o código com 8 dígitos. Caso não saiba o número, é possível encontrar uma lista com todos os códigos no site do Banco Central.  

Códigos COMPE dos Principais Bancos 

Confira abaixo a lista com alguns dos principais códigos COMPE e nomes dos bancos: 

• Banco Alfa S.A. – 025 

• Banco Bonsucesso S.A. – 218 

• Banco Bradesco Cartões S.A. – 204 

• Banco Bradesco Financiamentos S.A. – 394 

• Banco Bradesco S.A. – 237 

• Banco Citibank S.A. – 745 

• Banco Citicard S.A. – M08 

• Banco da Amazônia S.A. – 003 

• Banco do Brasil S.A. – 001 

• Banco Safra S.A. – 422 

• Banco Santander (Brasil) S.A. – 033 

• Caixa Econômica Federal – 104 

• Citibank N.A. – 477 

• Itaú Unibanco Holding S.A. – 652 

• Itaú Unibanco S.A. – 341 

E etc. 

No momento em que estamos realizando uma TED ou DOC, o próprio site já disponibiliza o campo onde devemos informar o código do banco. Basta clicarmos no campo e selecionar o número que desejamos. Só é preciso fica bem atendo ao nome correto do banco pois, em alguns casos, podemos nos confundir. Por exemplo, no caso do Banco Bradesco, temos mais de uma opção, mas cada uma identifica um tipo de instituição. Veja abaixo: 

  • Banco Bradesco Financiamentos S.A. – 394 

  • Banco Bradesco S.A. – 237 

  • Banco Bradesco Cartões S.A. – 204 

É muito fácil nos enganarmos. Por isso, confira mais de uma vez se for preciso.  

Posso Abrir Uma Conta Corrente Sem Comprovante de Renda?

Posso Abrir Uma Conta Corrente Sem Comprovante de Renda?

Uma conta corrente permite que o usuário tenha acesso a cartão de crédito, empréstimos, e muito mais. Porém, para conseguir abrir uma conta corrente convencional, é preciso comprovar renda, e nem sempre isso é possível. Quem trabalha como autônomo, por exemplo, tem uma dificuldade maior em conseguir comprovar renda. A grande maioria das instituições financeiras exigem que o cliente apresente um comprovante de renda no ato da abertura da conta. 

Porém, existe uma opção para quem quer ter uma conta corrente e não tem como comprovar renda: abrir uma conta digital. 

Isso mesmo! Se você ainda não conhece, continue lendo que daremos mais detalhes do que é e de como essa conta funciona. 

O Que é Conta Digital? 

A conta digital é uma opção de conta mais indicada para as pessoas que usam poucos serviços oferecidos sobre esse tipo de conta. E que não precisa ir com frequência à agência bancária. Porém, não são todos os bancos que disponibilizam a conta digital.  

Diferenças Entre a Conta Digital e a Conta Corrente Convencional 

Na conta digital, não há a cobrança de pacotes de serviços mensais como em uma conta corrente comum. Em certos bancos, é possível ter uma conta digital sem precisar pagar nenhuma tarifa, além de usufruir de serviços ilimitados, desde que realizados pela internet, pelo celular ou pelos caixas eletrônicos.  

Vantagens da Conta Digital 

Ao escolher uma conta corrente digital, o usuário terá à sua disposição diversos benefícios. Dentre eles, estão: 

• Transferências ilimitadas para as contas do mesmo banco; 

• Consulta de saldo e extrato sem precisar pagar nenhuma tarifa; 

• Saques na rede Banco24Horas ilimitados; 

• Transferências via DOC ou TED (para outros bancos; da mesma titularidade ou diferente) 

• Cartão de débito para compras e saques; 

• Pagamento de contas e de boletos sem nenhum custo adicional, 

• Transações ilimitadas pela internet, caixas eletrônicos e celular sem nenhum custo. 

Desvantagens da Conta Digital 

A conta digital também tem algumas desvantagens. São elas: 

• Não disponibiliza talão de cheque: por ser eletrônica, a conta corrente digital não disponibiliza talão de cheque. O cliente até pode solicitar ao banco, se desejar, mas terá que pagar uma tarifa, que varia de um banco para outro. 

• Todas as transações só podem ser realizadas por meios eletrônicos e digitais: todas as transações são gratuitas e ilimitadas, desde realizadas pela internet, celular ou caixas eletrônicos. Se precisar de atendimento pessoal, será cobrada uma tarifa. 

Principais Contas Digitais 

Confira abaixo uma relação com as principais contas digitais e o que elas oferecem: 

• Conta Fácil – Banco do Brasil: são duas as modalidades, uma paga e a outra gratuita. Na opção de conta gratuita, o cliente tem direito a um cartão de débito, transferências ilimitadas entre contas BB, 4 saques mensais, além de um limite de pagamento de R$ 800,00 por dia, e de transferência de R$ 5.000,00 por mês. 

• Next – Bradesco: a ideia do Banco Next era atender, mais especificamente, aos jovens que estão conectados. A conta mais simples oferecida é gratuita e disponibiliza um cartão de crédito internacional. O banco oferece 4 opções de plano de conta digital, que leva em consideração à realidade do usuário. 

• Nubank: disponibiliza apenas o cartão de crédito e oferece ao usuário o direito à conta para pagamentos em que o saldo pode render a uma taxa que se aproxima da taxa Selic. 

• Banco Inter: a conta não tem tarifa. No entanto, é preciso se atentar para as taxas cobradas pelas movimentações. São três os modelos de contas: MEI, Pessoa Física e Pessoa Jurídica. Ao abrir a conta, o cliente receberá um cartão com a bandeira Mastercard de débito, que ele pode usar para realizar compras e saques no Banco24Horas.

DARF Online: Conheça os Códigos e Como Emitir a Guia Para Pessoa Física

DARF Online: Conheça os Códigos e Como Emitir a Guia Para Pessoa Física

O DARF, ou Documento de Arrecadação de Receitas Federais, é usada com muita frequência pelos contribuintes para pagarem contribuições, taxas e etc. É um documento vinculado ao Ministério da Fazenda. A finalidade do DARF é recolher os débitos referentes a impostos e contribuições. E é usado por órgãos como Procuradoria Geral da Fazenda e Receita Federal por exemplo. 

É um documento que serve tanto para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas. 

Tipos de DARF? 

Existem dois tipos de Darf: 

DARF Simples: a criação do DARF simples se deu para que as micro e pequenas empresas que são inscritas no Simples Nacional pudessem recolher os seus impostos em apenas uma guia, uma guia unificada. De forma que o processo tanto de cobrança quanto de pagamento ficasse mais fácil. Desde de 2011, após a lei do Simples Nacional entrar em vigor, o DARF foi substituído pelo DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional. 

DARF Comum: o DARF comum também foi criado no mesmo ano. E é usado em várias situações, tanto por pessoas físicas como por pessoas jurídicas. É considerada a principal guia de arrecadação para tributos federais. 

Como Preencher os Campos do DARF 

É importante preencher todos os campos corretamente, de forma bem atenta: 

Campo 1: nome completo da pessoa física ou a razão social do devedor principal. 
Campo 2: período de apuração do recolhimento. 
Campo 3: número do CPF ou do CNPJ do devedor principal. 
Campo 4: código de pagamento, conforme tabela disponibilizada pela Receita Federal. 
Campo 5: número de referência dependendo do tipo de débito, como é o caso de pagamentos à Dívida Ativa da União. 
Campo 6: data de vencimento, no formato dd/mm/aaaa. 
Campo 7: valor principal, excluindo multa ou juros. 
Campo 8: valor da multa de mora. 
Campo 9: valor de juros e encargos. 
Campo 10: valor total do Darf, correspondente à soma dos campos 7, 8 e 9. 

Campo 11: reservado para autenticação bancária de pagamento. 

As informações solicitadas podem variar de acordo com o modelo da DARF. Demais informações obrigações podem ser consultadas no modelo DARF disponível no site da Receita Federal. 

Como Emitir DARF? 

A Receita Federal disponibiliza ferramentas que ajudam no processo de emissão do DARF.  

• Sicalc: software específico que a Receita Federal criou. É preciso baixar e instalar o programa no notebook e computador para que seja possível emitir guias e realizar operações a respeito do DARF. Uma das vantagens desse sistema é que ele é atualizado todo primeiro dia útil do mês, para que a taxa Selic possa ser acompanhada de forma mais precisa. Assim, o cálculo do imposto fica é o mais correto possível. 

• Sicalweb: a Receita Federal também disponibiliza essa plataforma online, que permite realizar o cálculo e impressão do documento. Para isso, basta acessar o site e preencher as informações de identificação, como cidade, estado, código da receita e etc. No caso de usar esse caminho, é preciso pagar a guia em um banco que seja credenciado. E o pagamento pode ser feito pelo internet banking, terminal de autoatendimento, débito em conta (em caso de parcelamento de dívidas), por meio de aplicativos ou gerenciador financeiro. E o pagamento pode ser feito ainda que não tenha o código de barras do documento. 

Como Pagar DARF Em Atraso 

Mesmo atrasada, é possível realizar o pagamento do DAR. Para isso, é preciso acessar o site e emitir uma nova guia (Sicalcweb) ou através do programa Sicalc, da Receita Federal. Essa nova guia virá acrescida de juros e multa. Por isso, fique atento à data de vencimento. Evite gastos desnecessários. 

O Que Fazer se Algum Campo For Preenchido Errado? 

Nesse caso, é possível alterar a guia  por meio do Redarf, acessando o site do e-cac.

É Possível Ter TED e DOC Sem Tarifas? Como?

É Possível Ter TED e DOC Sem Tarifas? Como?

É cada vez mais comum as pessoas optarem pelas transferências eletrônicas quando precisam enviar dinheiro de um banco para outro. O DOC (Documento de Ordem de Crédito) e a TED (Transferência Eletrônica Disponível), são as formas mais seguras de transferência hoje em dia. Além de facilitarem muito o processo, pois são bem práticas e fáceis de realizar. 

Uma questão que costuma gerar dúvidas, porém, é com relação aos custos envolvidos nesses tipos de transação. Os bancos, geralmente, cobram uma tarifa para o cliente realizar essas transferências. De acordo com o meio usado, como atendimento presencial, caixa eletrônico, agência, internet banking, o valor pode sofrer variação. Confira abaixo os valores cobrados pelos principais bancos: 

Banco                                              Valor do DOC e da TED 

Bradesco                                        De R$ 9,50 a R$ 17,50   

Banco do Brasil                            De R$ 9,40 a R$ 18,85 

Caixa Econômica Federal          De R$ 9,50 a R$ 17,50 

Santander                                     De R$ 9,40 a R$ 17,40 

Itaú                                                De R$ 9,75 a R$ 17,90 

Como Fazer DOC e TED Sem Pagar Taxas? 

Para quem deseja realizar essas transações sem pagar nada, pode optar pelas contas digitais oferecidas pelos bancos. Essas contas são totalmente gratuitas, desde que o cliente realize todas as transações pela internet ou caixas eletrônicos. Somente se precisar ir à uma agência solicitar algum serviço é que será cobrada uma tarifa.  

Poucas pessoas sabem que existe uma conta corrente gratuita, que não cobra taxa de manutenção, nem taxas de transferência, mensalidades, nada. Os bancos não fazem nenhuma questão de divulgar essa modalidade de conta, pois não é vantajoso para eles. 

A conta digital é uma conta corrente igual à conta convencional. Com a diferença de que o cliente não paga nada se usar somente os meios digitais e eletrônicos para realizar as transações. 

Por meio dela, o cliente pode realizar todos os serviços que faria em uma conta corrente convencional.  

Os principais benefícios da conta digital são: 

• Disponibiliza cartão de débito para compras, pagamento de contas e saques; 

• Saques ilimitados feitos em caixas eletrônicos; 

• Não cobra tarifa de manutenção, pacote de serviços e mensalidades; 

• Permite o pagamento de contas e de boletos bancários pela internet, caixas eletrônicos ou pelo celular, 

• Permite transferências ilimitadas para qualquer banco via DOC ou TED. 

Pacote de Serviços Essenciais 

Além da conta digital, os bancos também possuem o pacote de serviços essenciais. Esse pacote inclui os principais serviços que o usuário possui e também não há cobrança de tarifas. Os bancos são obrigados a oferecer esse pacote quando o cliente demonstra o desejo de abrir uma conta corrente. Neles, estão inclusos os seguintes serviços: 

• Dois extratos em caixas eletrônicos; 

• Cartão de débito que pode ser usado para compras e para saques; 

• Duas transferências por mês feitas entre contas da mesma instituição; 

• Um talão por mês com 10 folhas, 

• Quatro saques em caixas eletrônicos ou guichê de caixa por mês. 

Esses serviços atendem à grande maioria das pessoas. Porém, por não conhecerem, elas acabam contratando um pacote oferecido pelo banco em que tem que pagar tarifas todos os meses. E, em grande parte das vezes, a quantidade de serviços contratados nesses pacotes são bem maiores do que o cliente realmente precisa. 

O cliente pode solicitar a qualquer momento a migração do pacote pago para a cesta de serviços gratuitos. E o banco não pode se negar a realizar a alteração. E o cliente não precisa abrir uma nova conta para isso. 

O Banco do Brasil é um dos poucos bancos que oferece a cesta de serviços gratuitos para o segmento de alta renda. Se desejarem, os clientes do BB Estilo também podem migrar para o pacote de serviços gratuitos usando a internet. 

 

É Preciso Assinar Atrás do Cheque? E Colocar Dados Pessoais?

É Preciso Assinar Atrás do Cheque? E Colocar Dados Pessoais?

Nos dias de hoje, nós contamos com uma enorme variedade de formas de pagamento. Podemos pagar nossas compras em dinheiro, com cartão de crédito, de débito, ou com cheque. Essa última opção, no entanto, vem sendo cada vez menos usada. Ela vem dando espaço às outras formas mais seguras e práticas, como os cartões, por exemplo. 

No entanto, embora esteja sendo pouco utilizado, algumas pessoas ainda usam os cheques. Ainda assimeles continuam causando várias dúvidas. 

Uma dessas dúvidas é sobre o endosso do cheque. É comum as pessoas se perguntarem se devem ou não assinar no verso do cheque.  

Sim. Sempre que endossamos um cheque, devemos assinar no verso. 

Mas o que significa endossar um cheque? 

Endossar é transferir o direito a um terceiro. É quando passamos para uma pessoa um cheque de terceiros. 

Principais Dúvidas Sobre Cheque 

Fizemos uma seleção com as principais dúvidas que as pessoas têm sobre cheque. Confira abaixo: 

• O que é o cheque pré-datado? 

É quando podemos escolher uma data para que o cheque seja compensado. Assim, o depósito será feito em data próxima ao dia em que o cheque será compensado. 

• Preciso assinar um cheque nominal? 

Nesse caso, informamos o nome da pessoa que recebe o cheque. Somente essa pessoa está autorizada a resgatar o valor do cheque. E não pode repassar para outra pessoa. 

• O que é cheque cruzado? 

Somente por depósito em conta é possível resgatar um cheque cruzado. Não é possível sacar o valor na boca do caixa. Para cruzar o cheque, fazemos duas linhas diagonais paralelas na frente da folha. A vantagem em cruzar um cheque é que a gente ganha tempo para sustá-lo em caso de roubo. 

• O que acontece se o valor escrito por extenso estiver diferente do valor numérico? 

Nesse caso, considera-se sempre o valor escrito por extenso.  

• O que acontece se o beneficiário do cheque o depositar antes da data combinada? 

Como o cheque é uma ordem de pagamento à vista, o beneficiário pode depositar quando quiser. Tudo vai depender da sua boa-fé. 

• Se eu receber um pagamento em cheque, que esteja preenchido corretamente, ainda corro algum risco? 

Sim. Muitas pessoas de má fé aplicam golpes com cheques, ainda que pareça tudo correto. O ideal é sempre entregar o produto / serviço depois que o cheque for compensado e o dinheiro estiver na sua conta. 

• Eu consigo consultar o histórico de pagador do emitente do cheque? 

Sim. O Banco Central criou o Cadastro de Emitentes de Cheques Sem Fundos, onde os bancos precisam informar quais os clientes que possuem cheques devolvidos por falta de fundos. 

• É seguro aceitar cheques de terceiros? 

A menos que seja uma pessoa de sua extrema confiança, como um parente, por exemplo, evite aceitar cheques de terceiros. Fica ainda mais difícil se certificar da validade do cheque.  

• Devo realizar um cadastro do cliente? 

É sempre recomendado ter um cadastro dos seus clientes. As informações como nome completo, endereço e telefone ajudam a localizar a pessoa, em caso de algum problema com o cheque. Além de todos os dados pessoais do cliente, cadastre também os dados do seu cônjuge. Colha o máximo de informações possível. 

• O aspecto físico do cheque é importante? 

Sim. Não aceite cheques amassados, com a cor amarelada. Eles podem ser de contas que não existem mais, contas inativas. 

• Um cliente me ofereceu um cheque em valor maior do que a compra que ele fez. Devo aceitar? 

Não. Isso pode ser um indício de fraude. Aceite cheques somente se for preenchido na sua frente. Verifique também se o cliente anota as informações do cheque no canhoto. Isso indica que ele tem o mínimo possível de controle dos cheques.

Como Ficam as Dívidas Depois da Portabilidade de Salário?

Como Ficam as Dívidas Depois da Portabilidade de Salário?

Todo trabalhador tem direito de realizar a portabilidade do seu salário. Ninguém é obrigado a se manter vinculado a um banco que não deseja, definido pela empresa em que trabalha. Ele pode solicitar que o pagamento do seu salário seja transferido para a instituição financeira da sua preferência. 

O banco é obrigado a fazer a portabilidade sem cobrar nada pelo serviço. Assim, todos os meses, quando o salário do cliente cair na conta, ele será transferido automaticamente para o banco de destino escolhido por ele. Sem nenhum custo. 

questão é que, em alguns casos, os usuários encontram certos problemas ao solicitar a portabilidade, principalmente se possuem algum débito junto ao banco. Para manterem o pagamento das parcelas em dia, os bancos tendem a dificultar um pouco a saída do cliente da instituição, até mesmo com informações sem sentido. 

Porém, o banco não pode se recusar a fazer a portabilidade nem mesmo se o cliente tiver dívida na instituição. 

Para que o banco possa deduzir parcelas de financiamentos e empréstimos do salário do cliente, é preciso que este tenha autorizado previamente. E também não existe nenhuma norma que permita que o banco desconte 30% do valor devido antes de efetuar a portabilidade. 

Para os casos em que o salário e o empréstimo tenham algum vínculo, a regra para o pagamento é diferenciada. Nesse caso, o valor das parcelas é descontado diretamente no salário do cliente. No caso de quem fez a portabilidade, o valor do empréstimo será descontado logo que o dinheiro cair na conta, e o restante será transferido para a conta de destino do cliente. 

Vale lembrar que o desconto das parcelas só pode ser feito se o cliente autorizar o débito. 

Caso o cliente seja demitido da empresa, a mesma solicitará o cancelamento da conta salário. Nesse caso, o banco terá que procurar outra maneira de cobrar a dívida. Em grande parte dos contratos, já é pré-definido que o valor da rescisão ou parte dele será usado para quitar a dívida ou algumas parcelas. 

Antes, a portabilidade do salário era feita no próprio banco de origem. E somente nos bancos entre os bancos tradicionais. O cliente tinha que ir até a sua agência para solicitar. E o gerente aproveitava para tentar convencer o cliente de todas as formas a manter a sua conta com eles. De acordo com as novas regras do Banco Central, a portabilidade do salário hoje funciona da mesma forma que a telefonia. 

Conheça abaixo as principais vantagens que alguns bancos estão oferecendo para os clientes: 

• Caixa Econômica Federal: correntistas da Caixa possuem redução ou até isenção de tarifas de produtos e de serviços, além de taxas e de prazos diferenciados para cheque especial, financiamento habitacional, e também para outras linhas de crédito, como crédito pessoal, de imóvel ou de automóvel. 

• Nubank: quem fizer a portabilidade terá as mesmas vantagens de quem abre uma conta digital. Os clientes têm rendimento 100% do CDI, além da anuidade do cartão e da isenção da tarifa de transferência. 

• Bradesco: as condições oferecidas variam conforme as parcerias estabelecidas entre o banco e as empresas públicas e privadas e também conforme o perfil do cliente. Para conseguir atrair novos clientes, o Bradesco aposta em rede de atendimento e também num portfólio completo de produtos, de serviços financeiros e de seguros. 

• Banco do Brasil: para atrair e reter os clientes, o banco oferece crédito consignado, crédito imobiliário, crédito salário,financiamento de veículos e consórcio a taxas diferenciadas. 

• Santander: segundo o banco, os clientes que já recebiam o salário pelo banco já eram beneficiados com vantagens e benefícios nas taxas e tarifas.